sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Rede municipal de ensino de Tibau não atinge meta do IDEB pela segunda vez seguida


Os anos finais do ensino fundamental da rede municipal de Tibau não atingiram a meta do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), que avalia as redes de ensino brasileiras. 

Os dados foram divulgados na quinta-feira (08), pelo Ministério da Educação (MEC). 

Segundo a análise, Tibau nem sequer obteve nota no ano de 2015 porque não apresentou número de participantes suficiente na Prova Brasil para que os resultados fossem divulgados. 

A meta para o ano de 2015 era de 3.9. 

A análise se refere ao 4º e 5º anos do ensino fundamental. 

O município de Tibau também obteve resultados negativos no ano de 2013, com 3.4 . A meta era 3. 6. Em 2011, o município atingiu 3. 3, meta estabelecida pelo MEC. 

Já em relação ao ensino médio, o resultado não foi muito diferente. 

A avaliação é  do 8º e 9º anos, que são de rede estadual de ensino. 

Nesse quesito, Tibau ficou com nota 2.7, não atingindo a meta que é de 3.6. 

As metas também não foram atingidas em 2013 e 2011. 

As últimas vezes que o município registrou dados positivos quanto ao ensino médio foi em 2009 e 2007. 

5 comentários:

  1. A Escola Estadual Senador Dinarte de Madeiros Mariz que fica localizada no município de Tibau e atende do 1° ao 5° ano do Ensino Fundamental, ultrapasdou a meta estadual que era de 4.5. Atingimos 4.6. Vale ressaltar que a nossa meta enquanto escola era atingir 3.8. Parabéns a toda equipe da escola e aos pais Tibauenses que acreditam no nosso trabalho.

    ResponderExcluir
  2. Os resultados desses últimos quatro anos, só poderão refletir nos anos vindouros. A educação e comparada ao bambu chinês que você planta e demora alguns anos para brotar, mas depois que ele aparece se sobressai firme e forte. Os resultados negativos ja vem de longas datas e e no Brasil todo, também durante os os anos 2013 e outros anos anteriores a essa administração atual não foram dos melhores e tiveram muitos anos para investir e não o





    fizeram. O que se investe agora se colhe nos próximos anos...

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir